terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Quadros odontologia

Abaixo algumas imagens da história da Odontologia. Mário Serra cita que a "Odontologia é a profissão que cuida do movimento mais bonito do ser humano... O sorriso"

Temos, como tema das figuras abaixo, a exodontia. Sem dúvidas, as telas seriam um bom ansiolítico para acalmar os pacientes na sala de espera.


obs - As imagens foram capturadas na internet. Pesquisarei sobre os autores e época. Postarei em seguida...







O que impressiona é o tamanho do Fórceps. Detalhe para o numero de dentes conquistados.












Sempre tem um "amigo" com semblante feliz ajudando a conter a vítima. Salve Horace Wells que nos brindou com o estudo do Óxido Nitroso.











Detalhe da mesa com líquidos "alquímicos"











Isso que é campo Cirúrgico organizado.









Atenção na assepsia do local.
















Gostei do jaleco.








Parece que o Dentista é irmão do paciente.







Uma das primeiras faculdades modernas da Odontologia.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Sallus - Centro de Reabilitação




O Centro de reabilitação Sallus oferece fisioterapia aplicada a

    • Ortopedia
    • Neurologia
    • Dermato-funcional
    • Respiratória
    • Preventiva
    • Hidroterapia
    • Massoterapia
    • Drenagem linfática
    • Mastologia oncológica
    • RPG
    • Shiatsu
    • Auriculoterapia
    • DTM ( Disfunção Temporo-Mandibular)


O Centro possui as seguintes especialidades :

    • Psicologia
    • Medicina
    • Nutrição
    • Educação física
    • Studio de Pilates
    • Hidroginástica
    • Acupuntura


Conta com amplo estacionamento, brinquedoteca e Lanchonete.











TELEFONE : (62) 3098-3133

FAX : (62) 3098-3136

Av. Pinheiro Chagas, N. 744, Bairro Jundiaí, Anápolis-Go

www.sallus .com.br

Horario de atendimento : 07 às 21 h.





Essa seção será destinada a divulgar os patrocinadores deste blog.

Será atualizada sempre que um colaborador solicitar.

Agradeço a todos que apóiam essa idéia.

Se deseja ajudar este espaço e divulgar sua marca, entre em contato conosco.

domingo, 17 de fevereiro de 2008

Penetrating facial injury from angle grinder use: management and prevention

Lachlan M. Carter1*, Craig J. Wales2, Iain Varley3 and Martin R. Telfer4
(1) Specialist Registrar, Maxillofacial Surgery, Leeds Dental Institute, Clarendon
Way, Leeds. LS2 9LU. United Kingdom.
(2) Specialist Registrar, Maxillofacial Surgery, Regional Maxillofacial Unit,
Southern General Hospital, 1345 Govan Road, Glasgow. G51 4TF. United
(3) Senior House Officer, Maxillofacial Surgery, Pinderfields General Hospital,
Aberford Road, Wakefield. WF1 4DG. United Kingdom.
(4) Consultant Maxillofacial Surgeon, Maxillofacial Surgery, York District
Hospital, Wigginton Road, York. YO31 8HE. United Kingdom.
Corresponding author:
Lachlan M. Carter
Specialist Registrar
Maxillofacial Surgery
Leeds Dental Institute
Clarendon Way
United Kingdom
Email: carter.lachlan@virgin.net
CJW: welshy@doctors.org.uk
IV: iainvarley@doctors.org.uk
MRT: martin.telfer@york.nhs.u


Injuries resulting from the use of angle grinders are numerous. The most common sites injured are the head and face.  The high speed disc of angle grinders does not respect anatomical boundaries or structures and thus the injuries produced can be disfiguring, permanently disabling or even fatal. However, aesthetically pleasing results can be achieved with thorough debridement, resection of wound edges and careful layered functional closure  after reduction and fixation of facial bone injuries.  A series of penetrating facial wounds associated with angle grinder use are presented and the management and prevention of these injuries discussed.



Injuries resulting from the use of angle grinders are numerous. The most common sites injured are the head and face.  The Royal Society for the Prevention of Accidents (RoSPA) Home and Leisure Accident Surveillance Systems (HASS/LASS) data collected from 2000 to 2002 showed that angle grinders were third in their top ten list of most dangerous tools, with an average of 5,400 injuries recorded yearly [1].  The increasing number of recorded angle grinder injuries during three consecutive years (2000 to 2002) reported in the HASS/LASS data is alarming.  The vast majority of facial injuries are associated with foreign body penetration following shattering of the abrasive wheel.  Open facial wounds are much less common, but can be very disfiguring.


We present a series of three penetrating facial wounds associated with angle grinder use. 


Case 1

Case 1 occurred when a left-handed, 26 year old male was injured as the blade of the angle grinder he was using shattered at high speed.  He sustained deep wounds to his right upper lip, nasal base and left cheek,

corte 1

Figure 1: Case 1 – pre-operative appearance

These wounds contained particulate matter from the abrasive wheel, requiring  fastidious debridement.  The wounds were debrided and closed in layers, under local anaesthetic.  He recovered well post operatively and was discharged from clinic 12 months later.


corte 2

Figure 2: Case 1 – post operative appearance at 12 months


Case 2

Case 2 occurred when a right-handed, 40 year old male was injured when the angle grinder he was using kicked back from the edge of a wooden plank.  He sustained an open soft tissue wound involving the right upper lip, philtrum and nasal tip, fig3.


corte 3

Figure 3: Case 2 – pre-operative appearance

Again the wounds were contaminated with material from the abrasive wheel and also the wooden plank.  His wounds were debrided, carefully and closed in layers under general anaesthesia.  He recovered well post operatively and was discharged from clinic 9 months later, fig4.

corte 4

Figure 4: Case 2 – post operative appearance at 24 hours


Case 3

Case 3 occurred when a right-handed, 43 year old male was injured when the angle grinder he was using kicked up from the edge of a flag stone. The guard had been removed from the angle grinder by his neighbour and it was not replaced prior to its use.  The patient sustained a linear open soft tissue wound on the right side of his face.  The wound involved the chin, lips, cheek and supraorbital ridge.  Unfortunately the right globe was also penetrated. 
The right mandibular parasymphysis, right maxilla and right supraorbital ridge sustained bony fractures.

corte 5

Figure 5: Case 3 – pre-operative appearance

The wounds were debrided and closed in layers under general anaesthesia.  The bony fractures were reduced and fixed with miniplates (parasymphysis and maxilla only). The right globe was enucleated and the final prosthesis fitted a few months later.  The patient recovered well and was discharged from clinic 12 months postinjury.


corte 6

 Figure 6: Case 3 – post operative appearance at 12 months

In each of the cases the wounds were debrided with saline and wound edges
heavily laden with particulate matter were excised.  Oral mucosal and muscle layer closure was performed using Vicryl (polyglactin 910) resorbable sutures. 
Skin closure was preformed using non-resorbable monofilament interrupted sutures.  Peri-operative intravenous Cefuroxime was administered for 24 hours followed by a seven day course of oral cephalosporin.  Metronidazole was also administered in case 3.  Chloramphenicol 1 percent ointment was applied to the skin wounds for seven days post-operatively.  Wound review was performed at one, three and six weeks then at three, six and nine or twelve months.



Angle grinders are used around the world in large numbers to cut stone, metal and concrete [2].  They are also used to grind pre-welded joints and remove unwanted fragments of metal or ceramics.  The discs themselves rotate between 6000 and 15000 revolutions per minute, depending on the machine type and the disc diameter used.  As well as facial injuries, the main injuries are to the upper limbs and, less commonly, the lower trunk [1].


The morphology of the wounds sustained using angle grinders tend to follow
the shape of the cutting disc; most often curvilinear but may vary slightly depending on the angle of skin entry.  Tissue loss is a common feature. The volume of tissue loss is directly dependent on the size of the disc used. 
Finding fragments of disc and the material being cut in the wound is pathognomic of angle grinder injuries [3].  Therefore thorough debridement of contaminated wounds and excision of ragged edges is vital to optimal healing.

Injuries occur for a number of reasons.  Firstly the wheel itself may kick back from the surface it is cutting.  This will send the rotating disc toward the operator, parallel to the axis at which it is being used.  Hence the face is most often at risk of a penetrating wound when looking down along the axis of the cuts being made [4].  This feature is present in all of the cases reported as all exhibit oblique/parasagittal lacerations parallel to the cutting axis.  This risk is increased markedly if the guard has been removed as highlighted in case 3.

The other main reason for injury is the use of the wrong size/type of disc or a worn/chipped disc. This will increase the likelihood of excessive vibration and of the disc shattering.  This usually results in foreign body type injuries.  A thorough secondary survey should be performed in the situation of a shattered disc as several anatomical sites may be affected.  In particular perineal or scrotal injuries occur if the operator straddles the object being cut and can be missed [2].  Overhead use of angle grinders has been associated with fatal intracranial injury and should be avoided [5].  A number of articles have been published to warn of these specific dangers [6, 7].  In order to reduce the risks of injury there are general guidelines about the use of power tools such as checking they are maintained and on the use of protective clothing [7].  Specific guidance on the use of angle grinders is shown in table 2.


tabela 2

The cases presented illustrate that the high speed disc of angle grinders does not respect anatomical boundaries or structures.  Aesthetically pleasing wound closure can be achieved with thorough debridement, resection of wound edges and careful layered functional closure after reduction and fixation of facial bone injuries.  However the injuries produced can often be disfiguring, permanently disabling or even fatal and are mostly preventable.

We suggest that before using such a power tool that both manufacturer’s
guidance and national guidelines should be consulted.  


Competing interests

The authors have no financial and personal relationships with other people, or organisations, that could inappropriately influence (bias) their work, all within 3 years of beginning the work submitted.

Authors’ contributions
LMC, CJW and IV prepared the case reports.  LC and CW drafted the manuscript.  MRT conceived the paper and coordinated the case report preparation.  All authors read and approved the final manuscript.

Written informed consent was obtained from each patient for publication of this case series and any accompanying images.  A copy of the written consent is available for review by the Editor-in-Chief of this journal.



1.  HSMO Department of Trade and Industry.  24th (Final) report of the Home and Leisure Accident Surveillance System.  2000, 2001 and 2002 data.  2003. DTI/Pub 7060/3k/12/03/NP.  URN 03/32.
2.  Back, D.L., M. Espag, A. Hilton, and T. Peckham, Angle grinder injuries. Injury, 2000. 31: p. 475-6.

3.  Thurner, W. and S. Pollak, [Morphologic aspects of angle grinder injury]. Beitrage zur Gerichtlichen Medizin, 1989. 47: p. 641-7.
4.  Wongprasartsuk, S., R.L. Love, and H.J. Cleland, Angle grinder injuries: a cause of serious head and neck trauma. Medical Journal of Australia, 2000. 172: p. 275-7.
5.  Telmon, N., J.P. Allery, V. Scolan, and D. Rouge, Fatal cranial injuries caused by an electric angle grinder. Journal of Forensic Sciences, 2001. 46: p. 389-91.
6.  Safety in the use of abrasive wheels HSG17 (third edition).  2000. HSE books ISBN 0 7176 1739 4.
7.  Personal protective equipment at work regulations 1992.  Guidance on regulations L25.  2005. HSE Books ISBN 07176 6139 3.

sábado, 16 de fevereiro de 2008



Belmiro Cavalcanti do Egito VASCONCELOS*

Emanuel Dias de Oliveira e SILVA**

Natalie KELNER***

Karla Soares de MIRANDA***

Alessandra de Fátima Cunha da SILVA***

* Doutor em Odontologia (Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial) – Universidade de Barcelona; Professor da Disciplina de Cirurgia da FOP/UPE;
Coordenador do Programa de Pós-graduação em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial da FOP/UPE.
**Cirurgião-Dentista, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, Professor Adjunto IV e Regente da Disciplina de Cirurgia e Traumatologia
Buco-Maxilo-Facial da FOP/UPE.
***Aluna do 7° período da graduação na Faculdade de Odontologia de Pernambuco(FOP/UPE)Download

(Artigo publicado na integra. Com adiçao apenas de figuras explicativas)

Rev. Cir. Traumat. Buco-Maxilo-Facial, v.2, n.1, P. 49-57, Jan/jun - 2002 Clique para baixar - - >


A ATM é uma articulação especial pelo fato de desenvolver a sua atividade na interdependência de sistemas como o muscular e ligamentar, a oclusão, bem como da articulação homóloga.

Assim, as disfunções que acometem essa articulação possuem certas peculiaridades e são alvos de debates com relação aos seus diagnósticos e respectivos tratamentos.

Com isso, este trabalho tem por objetivo realizar uma revisão de literatura a cerca dos meios de diagnóstico das disfunções craniomandibulares, discutindo quais os mais utilizados, descrevendo suas vantagens, desvantagens e principais características.

UNITERMOS: ATM; disfunções; diagnóstico; avaliação.


A articulação temporomandibular, ou como normalmente é conhecida pela sigla ATM, é uma articulação especial, pois é a única do organismo a ter ponto terminal “rígido” de fechamento, que são os dentes, além de ser uma unidade simétrica com sua homóloga do lado oposto, de tal maneira que ao movimentar-se uma, há que movimentar irreversivelmente a outra.

As disfunções desta unidade anatômica são muito freqüentes atingindo cerca de 75% da população, embora apenas 5% necessitem de tratamento.(15)

Os principais sintomas observados nesses pacientes são; dor na região da ATM, dor de ouvido, dor muscular, dor de cabeça, sons na região pré-auricular, abertura limitada da boca e desvio da linha média.

O principal instrumento para obtenção do diagnóstico destas disfunções é o exame clínico adequado, porém em alguns casos faz-se necessário lançar mão de exames complementares.

Na tentativa inicial de diagnóstico de uma possível disfunção na ATM é mais importante um exame clínico minucioso e uma história pregressa detalhada do que exames radiográficos, eletromiográficos e laboratoriais, pelo fato de que a origem da sintomatologia na face é multifatorial.

O profissional deve saber solicitar a modalidade mais apropriada para cada paciente, levando em consideração as vantagens e desvantagens de cada técnica.

O exame complementar deverá ser solicitado se esse for capaz de fornecer informações que confirmem ou modifiquem o diagnóstico ou o plano de tratamento.

Sendo assim, este trabalho irá dissertar a respeito dos principais meios de diagnóstico para as disfunções da articulação craniomandibular.


A obtenção de imagens confiáveis das estruturas que formam a ATM, sempre foi um desafio para os profissionais que trabalham no estudo e tratamento dos problemas que acometem essa articulação. As características anatômicas e as estruturas vizinhas que se superpõem na imagem são citadas como as principais causas das dificuldades de nítida visualização, não permitindo, muitas vezes, um diagnóstico correto e conclusivo. (18)

Na tentativa inicial de diagnósticos de uma possível disfunção na ATM, é mais importante um exame clínico minucioso e uma história pregressa detalhada do que exames radiológicos, eletromiográficos e laboratoriais.(13)

Durante o exame clinico criterioso, o paciente deve ser submetido à palpação na região da ATM e músculos da mastigação, verificar a abertura máxima de boca, responder a um questionário sobre sua queixa principal, história médica e odontológica pregressa, informações sobre dores na região, no ouvido ou na cabeça, estalidos, entre outros, para obtenção do máximo de informações.

Exame clínico

A história clínica detalhada e a exploração física minuciosa são a base de um diagnóstico correto. A palpação e a observação são importantes, parte inseparável de qualquer anamnese. Porém, de forma consciente, na época
em que já se decifra o código do genoma humano, nenhum de nós iniciou qualquer procedimento, nas variadas áreas da medicina, somente com observação e palpação. (19)

Para a ATM, o exame clínico direto repousa sobre uma palpação lateral e intra-articular. O exame dos movimentos mandibulares, mesmo com a eletromiografia, não nos permite rotular definitivamente todas as patologias aparentes. (2)

O grau de Desordens Temporomandibulares (DTM) foi analisado em estudantes a partir de um índice anamnésico do grau de abertura bucal e dos movimentos excêntricos (laterais e protrusivos). Para se chegar a um diagnóstico de DTM a partir da anamnese, os autores utilizaram uma ficha com dados pessoais e um questionário preconizado por FONSECA et al (1994), o qual contava de várias perguntas entre as quais:

questionario 1)sente dificuldades em abrir bem a boca?;

2)você sente dificuldade para movimentar a mandíbula para os lados?;

3) tem cansaço da musculatura quando mastiga?;

4)sente dores na cabeça com freqüência?;

5)sente dor na nuca ou torcicolo?;

6)tem dor no ouvido ou na região das ATMs?;

7)já notou se tem ruído nas ATMs quando mastiga ou quando abre a boca?;

8)já observou se tem algum hábito como apertar ou ranger os dentes?;

9)sente que seus dentes não articulam bem?;

10)você se considera uma pessoa tensa (nervosa)?

Foram atribuídos valores às respostas do questionário: se sim, 10 pontos; se ás vezes, 5 pontos; se não, 0.

Os alunos foram classificados: sem disfunção se o índice anamnésico somou de 0 a 15; com disfunção se obteve valores de 20 a 40; com disfunção moderada de 45 a 65; e com disfunção severa de 70 a 100.(6) .

Nesse estudo observou-se a importância do uso de um questionário para a avaliação do grau de DTM, permitindo classificar o indivíduo, ainda em estágio precoce, como portador de DTM.

Exames Complementares no Diagnóstico da DTMs

* Imagenologia da ATM:

As informações são limitadas pois ocorre distorção no tamanho da imagem há sobreposição de estruturas anatômicas. Entretanto, pela simplicidade, fácil acesso e baixo custo, são referencialmente solicitados antes de técnicas mais sofisticadas.

As imagens da ATM devem ser sempre bilaterais para haver comparação entre os lados.

O ideal seria que uma única modalidade de exame pudesse fornecer todas as informações para todos os casos e situações.

As imagens podem ser classificadas em: que utilizam radiação ionizante (radiografias, tomografias e artrografias); que não utilizam nenhum tipo de radiação (imagem por ressonância magnética); que utilizam radioisótopos (cintilografia).(15)

Radiografias convencionais

Os exames radiológicos da ATM são destinados a: reconhecer ou confirmar as anomalias morfológicas ou funcionais; trazer elementos de diagnóstico para as estruturas discais; evitar tratamentos inadequados ou inúteis.(2)

As técnicas radiográficas convencionais mais usadas são:


Se a ATM for radiografada em projeção direta lateral, ou seja, paciente com plano sagital mediano paralelo ao plano do filme e raio X perpendicular a ambos, o feixe central não estará passando na direção do longo eixo do côndilo, e portanto, não estará projetando a melhor imagem daquela estrutura. Então, para que se consiga a projeção mais adequada dos côndilos da mandíbula, será necessário que o ponto de entrada dos raios X seja acima das estruturas altamente radiopacas dos rochedos e na direção do longo eixo do côndilo (7cm acima e 7cm atrás da articulação do lado oposto) (1).

O que se vê realmente da ATM são as estruturas intrinsecamente relacionadas com esta articulação, como: forame auditivo externo, o côndilo, a cavidade glenóide e o tubérculo articular do temporal. Todas as estruturas visíveis por esta projeção cabem num diâmetro de 7 cm, isto permite que efetue-se três exposições em metade do filme de18x24cm (uma em repouso, outra em abertura normal e a terceira em abertura máxima) e outras três na outra metade, para a ATM do outro lado.(1)

Este é o exame mais solicitado para avaliação das imagens da ATM quando se suspeita de desordem intra-articular, ou para verificar a capacidade de translação condilar. Possui custo relativo, porém tem como desvantagens a sobre posição das porções condilares (central e medial) a outras estruturas.(15)



A técnica radiográfica panorâmica tem uma posição de grande importância como auxiliar de diagnóstico, sendo que suas vantagens superam as desvantagens.(10)

É indicada quando se deseja ampla visão da maxila e mandíbula para análise das dimensões e forma anatômicas, ou quando há suspeita de processos degenerativos ou outras patologias ósseas porém, é contra-indicada para inspeção e interpretação funcional da ATM, pois durante este
exame o paciente morde um artefato acrílico.

Suas principais vantagens são: as imagens dos dois ramos ascendentes e côndilos podem ser vistas simultaneamente. A técnica é relativamente fácil e a aparelhagem de fácil aquisição e os programas mais modernos têm programas específicos para ATM .(15)

Esta técnica também tem melhor aceitação por todos os grupos de pacientes, principalmente as crianças, devido às facilidades oferecidas.(10)

Entre as desvantagens estão: sobreposição de imagens e simulação de patologias inexistentes15. Tempo de exposição longo, o qual pode propiciar movimentação do paciente durante a realização da técnica. (10)

O relacionamento do côndilo na fossa mandibular é distorcido porque a mandíbula é protruída quando é feita a exposição5.

Tomografia computadorizada

tomo atm

É um método radiológico que permite obter a reprodução de uma secção do corpo humano, com finalidade diagnóstica. É o método de escolha para a imagem de estruturas ósseas. A Tomografia Computadorizada (TC) representa a segunda revolução destes últimos anos em matéria de exploração da ATM. A utilização de métodos auxiliares de ponta vem nos acrescentar uma maior segurança no diagnóstico e tratamento das patologias(3).

A tomografia é um dos tipos de imagem radiográfica especializada mais usadas na odontologia e de mais fácil acesso, seu uso mais freqüente envolve imagens da ATM e de implantes(3)

A TC proporciona uma imagem distinta de uma selecionada faixa de um objeto, enquanto só tecidos vizinhos são barrados propositadamente.
Este efeito é conseguido com um mecanismo que movimenta simultaneamente tubo de raios-X e filme, que são ligados por meio de uma haste rígida, em direções contrárias. Este método radiográfico permite obter imagens de partes de um objeto em cortes ou secções, livres de estruturas sobrepostas.(5)

Apesar de nos anos 70 ser considerada um exame ideal para todas as estruturas da ATM, hoje ela tem sua indicação direcionada à pesquisa de detalhes da anatomia esquelética, delimitação de pequenas modificações ósseas, determinação da posição condilar e da forma e dimensões das estruturas esqueléticas dessa articulação, livres de superposição de qualquer outra estrutura. Ela tem as vantagens de fornecer uma imagem tridimensional da ATM e que corresponde à realidade com precisão, além de não ser invasiva(7).

Devido à posição da cabeça do paciente no aparelho, não é possível a tomada sagital, principal plano de interesse para avaliações funcionais da ATM .18 Além disso, tem alto custo e o paciente é exposto a considerável radiação ionizante.


A artrografia é indicada para pacientes com diagnóstico positivo de síndrome de dor e disfunção miofacial, da ATM, pacientes com uma história positiva de travamento ou ruídos articulares e paciente com abertura de boca limitada de etiologia indeterminada.

O objetivo primário do artrograma é avaliar o disco, a extensão do movimento discal e a sua integridade.(5)

Consiste na injeção de um meio de contraste no espaço supra ou infra discal da ATM, seguida de avaliação radiográfica simples ou tomográficas para visualização do contorno do disco e superfícies articulares (15)

A artrografia apresentou-se superior no diagnóstico do deslocamento do disco articular (12).

Durante o exame, se houver extravasamento do agente de contraste para outro compartimento diagnosticou-se uma perfuração no disco ou nos ligamentos retrodiscais.(12)

Porém existem relatos de que os resultados podem ser falso-positivos (15).

Apresenta as desvantagens de o paciente poder apresentar desconforto local por alguns dias após o procedimento, não poder ser realizado em presença de infecção aguda ou em pacientes com hipersensibilidade ao contraste iodado. Somente a artrografia pode estabelecer com exatidão suas relações tanto com a boca fechada, como durante os movimentos de abertura. Infelizmente, os diversos inconvenientes deste exame limitam sua utilização(2).

Ressonância Magnética

RM atm
A Ressonância Magnética (RM) tem as vantagens de visualizar todos os tecidos (discos, músculos, vasos, etc.), ter ponderações diferentes e estudo direcional sem deslocamento do paciente, ela não causa efeitos secundários conhecidos no organismo, tendo um campo magnético muito intenso (2).

A imagem de RM é um método comum de diagnóstico para avaliação da displasia do disco articular (9).

Pesquisas recentes sugeriram que a TC, imagens de RM e artroscopia facilitam o diagnóstico clínico da condromatose sinovial (9).

A RM tem sido aceita como uma modalidade precisa para a avaliação de várias anormalidades da ATM como: degeneração do disco da ATM, mudanças edematosas e inflamatórias no ligamento posterior do disco, entre outras (17).

As indicações clínicas da RM seriam: patologias intercapsulares, visualização do disco, luxações discais anteriores irredutíveis, patologia articular, derrames intrarticulares, artropatias inflamatórias, artrose, osteófitos, desaparecimento da cortical óssea subcondreal (2).

Apesar da não invasividade, este exame possui algumas contra-indicações absolutas e relativas, são elas:

-Absolutas: pacientes portadores de clips vasculares intracerebrais ferromagnético; corpos estranhos ferromagnéticos intracerebrais e ocular; clips cardíacos; bombas implantadas.

-Relativas: pacientes claustrófobos; gravidez nos três primeiros meses; eletrodos implantados.

-Específicas: algumas ligas usadas em odontologia podem provocar artefatos nas IRM (aparelhos ortodônticos, próteses com ligas não preciosas) (2).

Cintilografia óssea

Para o diagnóstico, tratamento e investigação de determinadas doenças, a medicina nuclear utiliza-se da aplicação de diferentes isótopos radioativos. O elemento químico fixa-se onde houver maior atividade osteoblástica e é
localizado por um aparelho mapeador (15).

Apresenta as vantagens de não ser invasivo, não ter riscos e ser capaz de detectar lesões muito antes que as radiografias. A radiação que o paciente recebe é muito menor em relação às radiografias convencionais (15).

A desvantagem é de não s er específica, requerendo freqüentemente outro exame para confirmação da natureza do problema e posterior plano de tratamento (15).


A artroscopia da ATM pode ser dividida em duas categorias: diagnostica e operativa (american association of oral e maxilofacial surgeons apud mazzonetto). A artoscopia diagnostica nada mais é do que a visualização direta dos tecidos articulares e é usada para diagnosticar mudanças patológicas nas articulações.


dores articulares persistentes e inexplicáveis que não respondem ao tratamento conservador; para confirmar a presença de uma alteração detectada clinicamente e que não pode ser diagnosticada por outro de avaliação; quando necessita de biopsia de uma lesão ou doença (12).

*Eletromiografia de superfície

A eletromiografia é a técnica em que a gravação dos potenciais de ação das fibras musculares em contração é colocada em um meio de exibição; ela representa um novo paradigma para avaliar e tratar a energia dos músculos (19).

O estudo do paciente, antes do início de qualquer terapia deve ser medido e gravado para comparação de seu estado antes, durante e após o tratamento, o que determina a efetividade da nossa intervenção terapêutica (19).

Tendo a vantagem de ter a capacidade de regular, contar e analisar os movimentos grosseiros e refinados da mandíbula, monitorando os sons da articulação e a atividade dos músculos mastigatórios, permitindo ao cirurgião-dentista adotar uma posição oclusal medida com o conhecimento das implicações dos músculos mastigatórios na própria oclusão, além de ser uma técnica não invasiva e não interferir na função natural (19).

O teste de SEMG funcional permite quantificar assimetrias musculares e atividade muscular em abertura e fechamento. Lembrando sempre que a eletromiografia é um elemento a mais para o estabelecimento do diagnóstico e não deve ser usado isoladamente (19).


A RM é um ótimo exame para os tecidos da ATM, tendo as vantagens de não ser um exame invasivo e produzir imagens de excelente qualidade e resolução, não se conhecendo efeitos colaterais e tendo como sua desvantagem o alto custo (7,18).

Para o exame da ATM, a TM é específica para os tecidos duros, não é invasiva e dá riqueza de detalhes em imagens tridimensionais (7).

Comparando-a com a ressonância magnética vêse que esta retrata a anatomia dos tecidos moles da articulação temporomandibular com maior riqueza de detalhes, enquanto a TC tem a sua indicação específica para estrutura óssea.

A artografia é uma técnica que nos mostra a perfuração de disco e ligamentos retrodiscais e também o deslocamento de disco com auxílio de contrastes 12,15. Porém, existem relatos de falsopositivos ,além de causar desconforto local por alguns dias após o procedimento.(15)

As radiografias simples nos dão poucos detalhes da região, não sendo muito indivadas para o estudo das DTMs (15).

A cintilografia estuda o metabolismo ósseo, não sendo específica para a região da ATM, requerendo outra técnica para confirmação do diagnóstico. Apresenta as vantagens de não ser invasiva , não ter riscos e ser capaz de detectar lesões muito antes das radiografias (15).

A eletromiografia estuda os músculos da mastigação,porém não deve ser usada isoladamente.


Após os estudo de todos estes meios de diagnóstico, constatamos que o exame clínico é soberano, porém deve-se lançar mão de exames complementares para o fechamento do diagnóstico definitivo e melhor elaboração do plano de tratamento. Não esquecendo que o atendimento dos pacientes com alterações na ATM deve ser multidisciplinar.

De acordo com as indicações das diferentes técnicas para exame da ATM , concluise que os melhores métodos para avaliação das desordens temporomandibulares são a tomografia computadorizada e a ressonância magnética.


1 - ALVARES,L.C; TAVANO,O. Curso de radiologia em odontologia. 2. ed. São Paulo; Santos, 1990.P.105-117.

2 - ARELLANO,J.C.V. Ressonância nuclearmagnética no diagnostico e controle dotratamento das disfunções da articulaçãotemporomandibular.J Bras Oclusão, ATM ,Dor Orofacial , curitiba,v.1,n.3,p.187-192,jul/set,2001.

3 - ARELLANO,J.C.V. Tomografia Computadorizada(T.C) no diagnostico e controle do tratamento das disfunções da articulação temporomandibular. J Bras Oclusão, ATM,Dor Orofacial, Curitiba, v.1,p.315-323,out/ dez,2001.

4 - BONFANTE,G;GUEDES,F.P.A.J. Desordens temporomandibulares em crianças. J Bras Oclusão, ATM, Dor Orofacial , Curitiba, v.1,n.1,p.39-43,jan/mar,2001.

5 - FREITAS,A; ROSA,J.E; SOUZA,I.F. Radiologia Odontologica. 5.ed. São Paulo; artes medicas, 000.p.311-331.

6 - GARCIA,R.A;LACERDA Jr,N.;PEREIRA,S.L.S. Grau de disfunção da ATM e dos movimentos mandibulares em adultos jovens. Rev Assoc Paul Cir Dent . São Paulo, v.51, p. 46-51, jan/fev, 1997.


7 - GORGU,M; ERDOGAN,B; AKOZ,T; KOSAR,U; DAG,F. Three-dimensional computed tomography in evaluation of ankylosis of the temporomandibular joint. Scand J Plast Reconstr Hand Surg , 2000; 34: 117-120.

8 - HAYASHI,T; ITO,J; KOYAMA,J; YAMADA,K. The accuracy of sonography for evaluation of internal derangement of the temporomandibular joint in asymptomatic elemetary school children : omparison with MR and CT. Am J Neuroradiol , 2001; 22: 728- 734.

9- KOYAMA, J; ITO, J; HAYASHI,T; KOBAYASHI, F. Synovial chondromatosis in the temporomandibular joint complicated by displacement and calcification of the articular
disk: report of two cases. Am J Neuroradiol, 2001; 22: 1203-1206.

10 - MAGALHÃES , J.C,A; PEREIRA, M.F; FREITAS,CVAROLI,O .J. A radiografia panorâmica e sua importância nos diagnósticos das fraturas mandibulares. RPG, v.2, n.2,p.66-71,abr/maio/jun,1995.

11 - MARCUCCI,M; CORREA,F.A.S. Considerações sobre o diagnóstico diferencial das disfunções da articulação temporomandibular. J Bras Oclusão, ATM, Dor Orofacial , Curitiba, v.1, n.4, p.325-328,

12 - MAZZONETTO,R.; SPAGNOLI,D.B. Artroscopia para o tratamento dos desarranjos em termos da articulação temporomandibular. Rev Assoc Paul Cir Dent. São Paulo, v.55,n.5,p.337-342 ,set/out,2001.

13 - MIRANDA,M.E; VIOLA,M.J. Disfunções na ATM: conceito, diagnostico e tratamento. Rev Gaucha Odontol. 36 (6), p.443-448, nov/ dez, 1998.

14 - MOLINA,O .F; MAZZETO,M; STECHMAN,J; SANTOSJr, J; FERNANDES,R.S.M; PIZZO,R.C.A; ARAGON,L.G. Distúrbios internos articulares. Retrodiscite em pacientes com bruxismo e DCMcaracterísticas clínicas, diagnóstico e sugestões para tratamento. J Bras Oclusão, ATM, Dor Orofacial , Curitiba,v.1, n.1,p.67-75, jan/mar,2001.

15 - MORAES,L.C; DUARTE,M.S.R; MEDICI FILHO,E; MORAES,M.E.L Imagens da ATM-Técnicas de exame. J Bras Ortop Facial,Curitiba,v.6,n.36,p.502-507,nov/ dez,2001.

16 - POMPEU,J.G.F; PRADO,V.L.G; SANTOS,S.M; COSTA,T.M;RAMOS, M.J.A Disfunção raniomandibular- análise de parâmetros para sua identificação. J Bras Oclusão, ATM,
Dor Orofacial , Curitiba, v.1, n.1, p.44-48, jan/mar,2001.

17 - SUENAGA,S; ABEYAMA,K; INDO,H; SHIGETA,K; NOIKURA,T. Temporomandibular disorders: MR
assessment of inflamatory changes in posterior disk attachment during the menstrual cycle. J Comput Assist Tomogr, Philadelphia, v.25, n.3,p.476-481,2001.

18 - VITRAL,R.W.F; TELLES, C.S. A utilização da tomografia computadorizada na articulação temporomandibular. J Bras Oclusão, ATM, Dor Orofacial ,Curitiba,v.1, n.1,p.76-79, jan/ mar,2001.

19 - YAVICH,L.G. Eletromiografia de superfície no diagnóstico e controle do tratamento das disfunções temporomandibulares. J Bras Oclusão, ATM, Dor Orofacial, Curitiba,v.1, n.3,p.193-198, jul/set,2001

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

TMJ - Joint Replacement System

A Intermedic Technology Ltda, representa no Brasil alguns dos maiores fabricantes mundiais de implantes cirúrgicos.

Desde 1996, ano de fundação, a confiança, tecnologia e presteza no atendimento fez dela uma das maiores e melhores empresas do país no ramo cirúrgico.

Confiram maiores detalhes em www.intermedic.com.br

Abaixo um post sobre um sistema de prótese da ATM fabricado pela W.Lorenz.



After satisfactory induction of general nasotracheal anesthesia, the patient is prepped and draped in the usual manner. Twenty-six and twenty-four gauge stainless steel wires are used to place Ivy loop fixation wires in both the maxilla and the mandible, so that during the critical time of condylar prosthesis screw placement, the patient can be placed in inter-maxillary fixation.

1) Incisions


A standard endaural incision is made with dissection along the tragal cartilage down to the joint space itself, avoiding any damage to the upper trunk of the facial nerve. The root of the zygoma is identified and periosteum is stripped off to expose the zygoma. The dissection is then carried down to expose the capsule of the joint.

A modified posterior mandibular incision is then made approximately two finger breadths below, and posterior to, the angle of the mandible. This is truly a retro mandibular incision, which allows better visualization of the entire ramus and also permits rapid access to the terminal branch of the superficial carotid if any troublesome hemorrhage is encountered from the internal maxillary artery during the condylectomy. Dissection is carried through to the subcutaneous tissue until the marginal mandibular branch of the facial nerve is identified and retracted superiorly. Dissection is then carried in a plane between the anterior border of the sternocleidomastoid muscle and the submandibular gland. The facial artery and vein can be ligated at this time and then the aponeurosis between the masseter and pterygoid muscle is identified and incised. After stripping off the masseter muscle, the surgeon should be able to have full visualization of the lateral ramus up to the neck of the condyle.


2) Exposure of the Joint

Attention is then directed back to the joint itself where an incision is made along the posterior root of the zygoma and a full-thickness mucoperiosteal flap is elevated to expose the entire lateral surface of the glenoid fossa and the capsule of the joint itself. The neck of the condyle is isolated with condylar retractors and a two step condylectomy is performed.



3) Perfoming the osteotomy


A 1mm fissure burr is first used to make a traditional condylectomy cut at the level of the sigmoid notch. After the condyle is removed, the angle of the mandible is grasped securely with bone holding forceps and the ramus is pushed superiorly so that more of the superior ramal stump is visualized in the endaural exposure. This allows the second osteotomy to be performed, which is approximately 5mm below the sigmoid notch and can include the coronoid to be removed in a single section osteotomy. This is necessary to accommodate the thickness of the Lorenz glenoid fossa implant.




4) Preparing for the Fossa Prosthesis



A specially designed, large diamond burr is used to flatten the articular eminence. This removes the majority of the variability in the glenoid fossa. The end of the burr has a radial shape, which matches the medial radial surface of the fossa component.







5) Occlusion Placement

Surgical wounds are now packed with antibiotic-soaked sponges. (Irrigant for the entire case is antibiotic infused solution). The surgeon now re-enters the oral cavity and places the patient in the optimum desired occlusion with secure twenty-six and twenty-four gauge inter-maxillary wires. IMF screws can also be used as an alternative.

6) Sizing and Implantation of the Fossa Prosthesis

The surgeon changes his/her gown and gloves to place the fossa implant. The fossa trial (sizer) can now be used to assess the initial fit of the prosthesis, with the goal to have a tripod stable fit of the fossa with minimal dead space. At this point, the surgeon can determine which of the three sizes of the fossa prosthesis would best allow a minimum of four 2.0mm zygomatic screws to be placed. The difference between sizes is strictly in the flange area for screw placement options. The articular surface is identical between sizes. It is extremely important to reduce the bone on the medial surface of the glenoid fossa adequately enough to allow proper seating of the medial edge of the fossa prosthesis. ensure that the fossa is positioned so that it is approximately parallel to the Frankfurt-Horizontal line. This avoids an anterior-posterior or medio-lateral tilt to the implant.

image image
Once the proper fit is achieved, two 2.0mm screws are used for the initial fixation.

7) Fitting of the Mandibular Component

image image

The mandibular trial (sizer) is used to assess whether a 45mm, 50mm, or 55mm prosthesis will be used. It is also used to determine whether an optional narrow component or offset component are appropriate. There is unlimited size interchangeability between the mandibular components and the fossa components. The trial also allows the surgeon to determine whether the large diamond burr or rasp need to be utilized to contour the lateral surface of the ramus so there is a flush fit of the mandibular component against the ramus. The specially designed diamond rasp can be also used to radius the edge of the resected ramus. The mandibular implant and trial should not be bent in any way.

8) Range of Motion


Once the head of the permanent mandibular prosthesis is positioned in the mid portion of the glenoid fossa, two 2.7mm screws are placed temporarily to secure the prosthesis. When drilling the holes for the ramus prosthesis, it is important to approximate the position of the inferior alveolar nerve to avoid any damage while placing the screws. If desired, a drill guide is available to assist in drilling. Once the prosthesis is placed temporarily, and the wounds are covered with sterile drapes, the surgeon then goes back into the oral cavity and removes the intermaxillary fixation. The mandible should be put through a reasonable range of motion with an interincisal opening of 30 to 35mm to assess the mechanical functioning of the joint, and to look for any subluxation, dislocation, or mechanical obstruction. If there is any question that the patient has increased muscle tone under a light anesthetic, it may be necessary to request that the anesthesiologist administer a short acting muscle relaxant to make sure that there is proper mechanical joint function with a reasonable range of motion. If, under full muscle relaxation, there appears to be significant impairment to range of motion, it maybe important to assess whether a coronoid-ectomy is necessary or whether further stripping of the soft tissue attachments would be appropriate. If the range of motion and the occlusion are satisfactory, the maxillary and mandibular fixation wires could be removed at that time and an occlusive dressing is placed over the oral cavity.

9) Final Screw Placement


The remaining screws are then placed with a minimum of six screws recommended for securing the mandibular component. The implant may not be bent and great care should be taken to not scratch or damage the articular surface of the mandibular component.


The surgical wounds are then irrigated with antibiotic solution; the deep layers of the wounds are closed with 3-0 chromic, the subcutaneous layer is closed with 4-0 chromic, and the skin incisions are closed with 5-0 nylon. The pressure dressing is applied. At the end of the procedure, all of the fixation wires of the maxilla and mandible are removed, and the patient is extubated.



Rehabilitation and Follow Up

A regimen of jaw exercises is recommended after one day post-op and should be continued until maximum opening is achieved, or for at least six weeks. The post-operative evaluation form must be filled out at the prescribed follow-up intervals.



CREDITS : W. Lorenz - TMJ - Joint Replacement System (www.lorenzsurgical.com)

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Identificador de Bruxismo

O BiteStrip® e um aparelho preciso e de baixo custo, de uso domestico, que tem como objetivo auxiliar na avaliação da atividade noturna excessiva dos músculos mastigatórios, conhecida como bruxismo. O BiteStrip® geralmente e indicado para uso por profissionais que trabalham com dor orofacial ou por cirurgiões-dentistas, para avaliar o nível de atividade noturna dos músculos mastigatórios, que pode estar relacionado com bruxismo, desordens têmporo-mandibulares (DTM) ou outras desordens oro - funcionais durante o sono. O BiteStrip® pode auxiliar na determinação da existência e da freqüência do bruxismo. Com essa informação, o profissional pode efetivamente educar o paciente e estabelecer o plano de tratamento adequado.

As vantagens do BiteStrip®

• Dados coletados no lar, no ambiente natural do sono.

• Fácil de usar, descartável.

• Baixo custo.

• Preciso, excelente correlação com dados laboratoriais de polissonografia.

• Pequeno, leve.

• Resultados instantâneos e permanentes.

Sendo o BiteStrip® descartável, permitiu que o fizéssemos com um preço acessível e muito mais simples de operar que qualquer outro sistema reutilizável.

Outras vantagens:

• Não é necessário investir em equipamento EMG ou de sono de preço elevado.

• Não é necessária a manutenção, seguro ou troca de peças.

• Não é necessário recarregar baterias, operar PCs, ou qualquer outro manuseio.

• Não é necessário operar uma unidade para a entrega do dispositivo ao paciente trazê-lo de volta.

• Habilidade para testar com o maior número de pacientes possível, como requerido toda noite.

Maiores informações no site http://www.exporting.com.br/port/index.php?op=5

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Prova à residência Pernambuco 2008

01. Os movimentos da Articulação têmporo-mandibular são produzidos, principalmente, pelos músculos:

A) temporal, masseter, pterigóideos medial e lateral.
B) digástrico, masseter, temporal e bucinador.
C) masseter, digástrico, pterigóideo medial e platisma.
D) músculos infra e supra-hióideos, platisma.
E) masseter, digástrico, gênio-hióideo e omo-hióideo.

02. Em qual situação, adrenalina, anti-histamínico e corticóide são utilizados emergencialmente?

A) Choque Anafilático.
B) Choque Neurogênico.
C) Choque Séptico.
D) Choque Cardiogênico.
E) Lipotímia.

03. Na reconstrução de rebordos alveolares atróficos com fins à implantodontia, considera-se enxerto aposicional em bloco.

A) Tecido ósseo enxertado entre a(s) osteotomia (s).
B) Tecido ósseo enxertado dentro do seio maxilar.
C) Tecido ósseo enxertado sobre cortical externa.
D) Tecido ósseo enxertado entre a expansão córtico-medular.
E) Tecido ósseo particulado enxertado entre osteotomias.

04. A expansão da cortical óssea alveolar via osteotomia com vistas à correção de defeitos horizontais da maxila ou mandíbula extremos deverá ocorrer gradualmente, no sentido vestibular até

A) 6mm.
B) 8mm.
C) 5mm.
D) 1mm.
E) 3mm.

05. Dentre as técnicas cirúrgicas utilizadas para exérese de tumores, temos a ressecção marginal. Podemos defini-la como

A) remoção local do tumor por instrumentação, em contato direto com a lesão.
B) remoção do tumor sem perda de continuidade do osso.
C) remoção do tumor com continuidade total do osso.
D) remoção do tumor com continuidade óssea e tecidos moles.
E) remoção do tumor via aspiração endoscópica.

06. No tratamento das fístulas buco-sinusais alveolares de 3mm de diâmetro, qual técnica não deve ser empregada por resultar em maior recidiva?

A) Retalho livre de mucosa.
B) Retalho vestibular.
C) Retalho palatino.
D) Retalho em dobradiça perifístula.
E) Retalho livre de bola adiposa de bichat.

07. Existe diferença entre as características clínicas do abscesso e celulite no que se refere à dor, palpação e ao grau de gravidade da celulite. Pode-se considerar como verdadeira:

A) intensa e generalizada, flutuante, maior.
B) intensa e localizada, endurecida, menor.
C) intensa e generalizada, flutuante, menor.
D) intensa e generalizada, endurecida, maior.
E) intensa e localizada, flutuante, maior.

08. Nos quadros de luxação do disco da ATM não reduzível com limitação de movimento, considera-se como conduta adequada, na luz do conhecimento atual, a

A) Artrocentese. D) Condilectomia.
B) Fisioterapia. E) Eminoplastia.
C) Discopexia.

09. Segundo a classificação de Winter e Pell & Gregory, para terceiros molares inferiores, o dente que apresentará um grau de dificuldade maior para sua extração será o

A) mesioangular, classe II, posição B. D) vertical, classe I, posição A.
B) horizontal, classe II, posição C. E) distoangular, classe III, posição C.
C) mesioangular, classe II, posição C.

10. Considera-se correto afirmar com relação às complicações nervosas decorrentes do acesso cirúrgico pré-auricular para cirurgia da ATM.

A) Na maioria dos casos, ocorre neurotemese que pode ser tratada com gangliosídeos.
B) Pode ocorrer neurapraxia que normalmente não necessita do uso de gangliosídeos.
C) Pode ocorrer axonotemese que deve ser tratada inicialmente com neurorrafia perineural.
D) Nos casos de neurotemese, o uso de gangliosídeos é a melhor forma de tratamento.
E) Nos casos de neurapraxia, aplica-se a técnica microcirúrgica de enxerto nervoso artificial.

11. De qual princípio faz parte a utilização do consentimento informado?

A) Beneficência. D) Sigilo.
B) Não Maleficência. E) Autonomia.
C) Justiça.

12. Sobre o atendimento pré-hospitalar no trauma, marque a opção CORRETA.

A) O atendimento pré-hospitalar visa somente prestar assistência a uma vítima no local do sinistro.
B) O atendimento na fase pré-hospitalar só poderá ser feito por um médico.
C) O atendimento pré-hospitalar visa prestar assistência a uma vítima no local do sinistro, visando à manutenção do Suporte Básico de Vida (SBV).
D) O transporte do paciente ao hospital mais próximo é de fundamental importância na fase pré-hospitalar.
E) Na fase pré-hospitalar, a assistência prestada a uma vítima no local do sinistro visa à manutenção do suporte básico de vida e estabilização para adequado transporte desta vítima a um centro hospitalar capacitado, se for o caso.

13. O que você entende por Cantopexia?

A) Fixação e estabilização do fragmento ósseo, contendo o ligamento cantal nas fraturas tipo NOE.
B) Procedimento de fixação da maxila que está com a parede anterior do seio comprometida.
C) Reconstrução do canto externo do olho nas fraturas orbitárias.
D) Reconstrução de mandíbulas atróficas, tendo como ponto de fixação a borda posterior do ramo ascendente.
E) Fixação das fraturas cominutivas de ossos próprios do nariz.

14. Constitui infração ética profissional

A) resguardar o segredo profissional.
B) manter os prontuários dos pacientes em arquivo próprio.
C) utilizar técnicas ou materiais com baixa comprovação científica.
D) guardar segredo profissional.
E) assumir responsabilidade pelos atos praticados.

15. Na anamnese do trauma, devemos considerar, de acordo com o agente traumático,

A) a direção em que ocorreu a variação de energia.
B) se há energia transmitida.
C) as forças não afetam as vítimas.
D) independência do agente traumático.
E) a colisão que é ação exclusiva dos traumas automobilísticos.

16. Assinale a afirmativa correta em relação ao trauma por arma de fogo.

A) A densidade dos tecidos não influencia os danos produzidos por arma de fogo.
B) A deformidade do projétil, o tamanho e o desvio não contribuem para maior destruição dos tecidos.
C) Órgãos mais densos sofrem mais danos que os menos densos.
D) A energia cinética não se dissipa pela fragmentação do projétil.
E) As feridas de entrada apresentam sempre bordos limpos e simétricos.

17. Na avaliação dos sinais vitais nos traumatizados, nos estados de dispnéia, pode ser definido.

A) dispnéia que se caracteriza por respiração rápida e regular.
B) parada respiratória intermitente entre 10 a 60 segundos.
C) respiração lenta e irregular.
D) respiração difícil com esforço e uso de músculos acessórios.
E) não corresponde à alteração de respiração, mas transtorno na pressão arterial.

18. Assinale a afirmativa correta em relação aos estados de choque.

A) O evento fisiopatológico primário no estado de choque é a perda de sangue.
B) Independente de etiologia, é a perda de líquidos que define o estado primário de choque.
C) O evento fisiopatológico primário no choque é a hipoperfusão tecidual.
D) A hipóxia, a acidose e a disfunção orgânica são dependentes do volume circulante.
E) Os politraumatizados de face determinam necessariamente uma possibilidade neurogênica para o estado de choque.

19. As fraturas faciais podem estar associadas às de base do crânio. Qual a melhor alternativa que define esta possibilidade?

A) Otoliquorréia e sinal de Battle.
B) Equimose na região da mastóide, hemorragias meníngeas, dilatação pulilar.
C) Equimoses, periorbitárias e rinoliquorréia.
D) Otoliquorréia, rinoliquorréia e sinal de Battle, equinose periorbitária.
E) Paralisia facial, hemorragia nasal e dilatação pupilar.

20. São características de interações entre choque hipovolênico:

A) vasodilatação, permeabilidade aumentada, pré-carga cardíaca aumentada.
B) isquemias coronárias, vasodilatação, depressão miocárdica.
C) isquemias coronárias esplânica, aumento da pressão cardíaca.
D) depressão miocárdica, vasodilatação, isquemia coronária.
E) isquemia coronária, permeabilidade aumentada e vasoconstricção.

21. As odontorrafias têm como objetivo estabelecer o bloqueio maxilo-mandibular, além de estabilidade horizontal. Sobre isso, assinale a alternativa correta.

A) As odontorrafias de Duclos e Stout são absolutamente iguais e se aplicam aos mesmos fins.
B) Os anéis de Ivy e Eby se aplicam melhor ao B.M.M. facial, por permitirem facilmente a colocação de bandas de borracha.
C) Os arcos de Risdon e Winter se apresentam da mesma forma das barras de Erich.
D) Os métodos de Gilmer e Kazanjian são odontorrafias isoladas nos dentes.
E) As odontorrafias devem ter como condições básicas, dentre outras, evitar extrusão dos dentes e permitir abertura maxilo-facial trans ou pós-operatória de forma rápida, se o paciente tiver dificuldades de ventilação.

22. Para tratamento das fraturas na região da ATM, assinale a alternativa correta.

A) Intracapsulares devem ser tratadas com mobilidade excessiva para permitirem reparação condilar.
B) A mobilidade excessiva impede anquilose óssea ou fibrosa.
C) É indicado tratamento conservador com observação controlada da oclusão dentária.
D) Devem ser imobilizadas com miniplacas de Champy.
E) Nos pacientes infantis até 10 anos de idade, usar bloqueio maxilo-mandibular.

23. Os princípios em cirurgia do trauma devem obedecer basicamente à

A) redução do deslocamento, reposicionamento morfológico, prevenir infecção e mobilidade.
B) redução do deslocamento, imobilização, fixação.
C) redução dos deslocamentos ósseos, imobilização dos fragmentos, fixação, retorno funcional gradativo.
D) prevenção à imobilidade e infecção cirúrgica mais precoce possível.
E) estabilidade funcional, acesso menos invasivo, reposição tecidual.

24. As fixações rígidas se apresentam como um excelente recurso técnico nas cirurgias ósseas.

A) Os sistemas 1.3 e 1.5 são melhores por serem mais longos e oferecerem mais segurança.
B) Os parafusos lag screw devem ser usados preferencialmente em fraturas cominutivas.
C) Os sistemas com placas e parafusos feitos a partir do ácido poliláctico devem ser removidos sempre.
D) Os parafusos lag screw têm boa indicação para fraturas em bisel longo.
E) Os sistemas com placas e parafusos 2.4 bicorticais não devem ser usados num ramo horizontal da mandíbula.

25. A ressecção total nas cirurgias dos tumores

A) é uma indicação que compromete todo o tumor envolvido.
B) é uma ressecção do tumor por remoção total do osso envolvido.
C) é uma técnica que consiste na remoção do tumor com osso sadio.
D) caracteriza-se na cirurgia que necessita de esvaziamento de cadeia linfática.
E) consiste na remoção de tumor e tecidos adjacentes, ósseo e mole.

26. Nas cirurgias dos cistos, quando indicado marsupialização, ocorre

A) destruição progressiva do osso e substituição por tecido fibroso.
B) substituição reversível de um tipo de célula adulta por outro tipo de célula adulta.
C) descompressão para operar com menor perda óssea.
D) proliferação desordenada de células com variações nucleares.
E) cicatrização marginal.

27. As grandes perdas ósseas nas cirurgias de lesões agressivas e recidivantes podem levar a comprometimentos funcionais e estéticos. Podemos tentar evitar seqüelas, fazendo substituição

A) pelas lesões maiores do que 4,0 cm no maior diâmetro, enxerto de osso esponjoso, após enucleação e criocirurgia, podem ter como resultado maior altura de osso residual, o que permitirá recuperações funcionais.
B) pela crioterapia que inibirá a recidiva e permitirá formação óssea suficiente.
C) sem usar osso esponjoso e, sim, fíbula com crioterapia transoperatória.
D) pela crioterapia usada para diminuir possíveis recidivas é uma técnica sem indicação.
E) pelos enxertos de ilíaco ou fíbula que só devem ser usados nas perdas mandibulares, sem crioterapia, devido à inibição da vascularização local.

28. Alguns tumores odontogênicos são recidivantes. A remoção com conservação do osso implica a necessidade de tratamento complementar da cavidade cirúrgica e de estruturas adjacentes com métodos físicos ou químicos. Sobre isso, assinale a afirmativa correta.

A) As complicações no uso da solução de Carnoy são altas, principalmente provocando infecção pós-operatória.
B) As soluções com a fórmula de 3ml de clorofórmio, 6ml de álcool absoluto, 1 ml de ácido glacial acético e 1g de clorito férrico promovem complicações baixas, tornando sua aplicação segura, desde que cuidados necessários sejam respeitados.
C) A solução de Carnoy provoca uma necrose física superficial de até 1,5 mm2.
D) Com exposição do nervo alveolar inferior, a substância de Carnoy não deve ser adotada.
E) As recidivas ocorrem independentes do uso de substâncias físicas ou químicas que, pelo contrário, estimulam o aparecimento de células tumorais.

29. Sobre a utilização da técnica Obwegeser, Tauner, Dal Pont , é correto afirmar.

A) Sem dúvida, uma alteração na relação entre o côndilo, a fossa articular e o disco articular ocorre nos três planos de espaço com aplicação de fixação rígida.
B) As alterações de posição do côndilo na fossa articular não são significativas, pois não apresentam alterações funcionais nem dor na região articular.
C) As fixações rígidas devem ser evitadas na técnica sargital.
D) Os separadores de Smith, usados com a pinça de Wolford, permitem que não haja deslocamento ou torque do segmento distal.
E) As alterações nunca ocorrem na distância intercondilar nem na inclinação axial do côndilo e sempre, na posição horizontal e vertical do côndilo, na fossa articular.

30. Knight e Nort, em estudo de 120 casos de fraturas zigomáticas, concluíram:

A) grupo de fraturas zigomáticas com rotação medial corresponde a 11% do grupo estudado.
B) sem deslocamento significante, 17% do grupo estudado.
C) fraturas do corpo sem rotação compreendem 23% dos casos estudados.
D) fraturas do corpo com rotação lateral, 15% dos casos estudados.
E) fraturas do arco zigomático, 34% dos casos estudados.

31. Assinale a afirmativa correta.

A) A dor e a sensibilidade estimulam as glândulas salivares à hiperatividade.
B) A movimentação dos fragmentos ósseos só acontece pelo grau de impacção do agente traumático.
C) O deslocamento dos fragmentos nas fraturas dos ossos zigomáticos se dá pela ação dos músculos masseter e orbicular.
D) A rinorragia é um sinal clássico das fraturas etimoidais.
E) O deslocamento anterior das fraturas mandibulares se dá pelos músculos masseter e temporal.

32. Assinale a afirmativa correta em relação a enxertos.

A) A resposta tissular na presença de enxertos ósseos autógenos começa com as células do leito, as quais se distribuem através do osso cortical e esponjoso, fixando o enxerto.
B) Podemos dizer que a quantidade de osso produzido no enxerto não depende da densidade celular do osso esponjoso transplantado.
C) Para uma máxima formação óssea, o enxerto alógeno deve sempre, nesta ordem, ser congelado, seco e congelado e descalcificado; assim, a transmissão de enfermidades virais e infecções serão evitadas.
D) O osso heterogêneo é o melhor enxerto, pois possibilita menor morbidade e melhor osteocondução.
E) Os enxertos vascularizados devem ter uma fina cortical rodeada de tecido esponjoso, e o pedículo vascular deve ser curto para garantir a vascularização.

33. Que tipo de inflamação a presença de um exudato aquoso e fino, que se dissemina através do tecido subcutâneo, doloroso com aumento de volume e quente, pode definir?

A) Supurativa. D) Catarral.
B) Fibrinosa. E) Granulomatosa.
C) Celulite.

34. Na reparação alveolar, após exodontias, é correto afirmar.

A) A presença do ligamento periodontal favorece a proliferação fibroblástica.
B) A curetagem alveolar deve ser feita sempre após as exodontias, pois favorece o processo de reparo.
C) Na primeira semana, não há, significativa organização dentro do alvéolo.
D) Na segunda semana, o coágulo sofre o processo normal, sendo composto por hemácias aprisionadas em feixe de fibrinas.
E) Na segunda semana aproximadamente, o tecido ósseo depositado no alvéolo sofre processo de maturação, ocorrendo completa epitelização da ferida.

35. Assinale a afirmativa correta em relação à micrognatia.

A) A micrognatia não está relacionada às síndromes de Nager, Pierre Robin, Treacher Collins e microsomia craniofacial.
B) A hipoplasia mandibular aparece sempre devido a alterações congênitas.
C) Os pacientes com hipoplasia maxilar sempre estão associados à hipoplasia mandibular, devido o fator etiológico alterar o desenvolvimento facial como um todo.
D) A micrognatia pode ser resultante da deficiência de crescimento mandibular por fratura mandibular ou anquilose da ATM.
E) Na micrognatia, não há desvio de crescimento, independente da patologia unilateral, nem crescimento vertical da maxila.

36. No que se refere à lavagem e degermação das mãos, é correto afirmar que

A) a área nobre corresponde ao punho e antebraço.
B) quando se combina a ação mecânica da escovação com os efeitos de um antisséptico de ação rápida, parece não haver diferença significativa entre os tempos de 5 a 10 minutos.
C) a comparação das eficácias das soluções antissépticas mostra que há diferença significativa, quando se refere à iodopovidona, clorhexidina e hexaclorofeno duas horas após a lavagem das mãos.
D) o sabão, o hexaclorofeno, a iodopovidona e a clorhexidina permitem a formação da luva química, o que confere uma proteção adicional.
E) a clorhexidina é um antisséptico fenólico com boa atividade contra as bactérias gram-negativas e apresenta ação limita contra as bactérias gram-positivas.

37. Qual dos anestésicos locais apresenta maior potencial alérgico?

A) Mepivacaína. B) Lidocaína. C) Articaína. D) Bupivacaína. E) Prilocaína.

38. Qual destas técnicas anestésicas permite anestesiar os nervos alveolar inferior, lingual e bucal com a boca fechada?

A) Técnica de Akinosi. D) Técnica de Malamed.
B) Técnica de Báscula. E) Técnica de Gow-Gates e Akinosi.
C) Técnica de Gow-Gates.

39. Em relação à absorção anestésica, assinale a alternativa que apresenta a menor atividade vasodilatadora dos anestésicos locais.

A) Mepivacaína. B) Lidocaína. C) Articaína. D) Bupivacaína. E) Etidocaína.

40. Qual destas manifestações bucais não é compatível com as características de paciente com alcoolismo crônico?

A) Candidíase.
B) Glossite.
C) Aumento do tamanho da glândula parótida.
D) Queilose angular.
E) Sialorréia.

41. Qual destes analgésicos pode ser usado com segurança em um paciente renal crônico?

A) Aspirina.
B) Morfina.
C) Acetaminofen.
D) Diclofenaco sódico.
E) Betametasona.

42. A radioterapia provoca uma série de efeitos colaterais locais. Assinale a alternativa que não corresponde às manifestações oriundas dessa terapêutica.

A) Mucosites.
B) Diminuição da macro-circulacão.
C) Desceratinização da mucosa bucal.
D) Atrofia e fibrose da musculatura.
E) Osteorradionecrose.

43. No que se refere à cirurgia do terceiro molar inferior incluso, assinale a alternativa correta.

A) A incisão na região retromolar representa um grande risco para o aparecimento de lesão nervosa do lingual de caráter definitivo.
B) A neurapraxia é conseqüente de uma lesão do nervo por secção.
C) A disestesia caracteriza-se por uma sensação anormal, porém não dolorosa.
D) O descolamento do retalho vestibular promove a parestesia na região de lábio inferior.
E) A cirurgia para exérese do terceiro molar inferior não representa risco de comprometimento do nervo lingual.

44. Assinale a alternativa incorreta.

A) A topografia do canal mandibular tem sido tema de estudo atual com o advento dos implantes dentários.
B) A anestesia por bloqueio regional pode originar lesão do nervo alveolar inferior.
C) Mudanças no trajeto do nervo alveolar inferior são relativamente comuns.
D) A radiografia panorâmica dos maxilares representa um meio diagnóstico determinante na avaliação predictiva da lesão do nervo alveolar inferior.
E) A ortopantomografia apresenta uma sensibilidade e especificidade baixa na avaliação predictiva para lesão nervosa.

45. Assinale a alternativa incorreta.

A) Os maiores fatores de risco para a lesão do nervo alveolar inferior são o aumento da idade, ostectomia distal ao terceiro molar, a relação radiográfica entre as raízes e o canal mandibular, a deflexão do canal mandibular e a pouca experiência do cirurgião.
B) Os sinais radiográficos mais comumente relacionados ao aparecimento de lesão no nervo alveolar inferior são: o obscurecimento dos ápices, estreitamento do canal mandibular, desvio do canal mandibular e interrupção das linhas brancas.
C) A interpretação dos sinais radiográficos, conhecida por ápice em ilha, caracteriza-se pelo fato de uma raiz apresentar uma radiopacidade maior que a outra, sendo as duas raízes posicionadas no mesmo eixo vestíbulo-lingual, circundando o canal mandibular.
D) A interpretação dos tipos de sinais radiográficos é fator de extrema relevância no planejamento das cirurgias de exérese de dente incluso.
E) A cirurgia de dente incluso pode ocasionar lesão nervosa de caráter permanente, envolvendo o nervo alveolar inferior e ou o lingual.

46. No que se refere à avulsão dental, é correto afirmar que, dentre as alternativas abaixo, o melhor meio de conservação é

A) leite. D) soro fisiológico a 0,9%.
B) saliva. E) ringer lactato.
C) soro glicosado a 10%.

47. Assinale a alternativa correta.

A) O cisto gengival do recém-nascido tem como tratamento a ulotomia da região envolvida.
B) O cisto gengival do adulto tem a característica de não precisar de tratamento, pois involui com o tempo.
C) O cisto odontogênico calcificante pode encontrar-se associado a odontomas.
D) O cisto odontogênico glandular apresenta um cisto comum que após a curetagem não recidiva.
E) O cisto dentígero faz diagnóstico diferencial com a displasia fibro-óssea e com o cisto odontogênico calcificante.

48. No que se refere ao ameloblatoma, é incorreto afirmar.

A) O ameloblastoma multicístico apresenta alto grau de recidiva após a enucleação ou curetagem.
B) O tratamento do ameloblastoma não se apresenta mais determinado pelo tipo histológico, pois, em uma mesma peça patológica, pode-se ter vários padrões histológicos.
C) No tratamento do ameloblastoma, na literatura atual, tem sido focada a qualidade de vida e não somente, o poder de recidiva.
D) O tratamento do ameloblastoma multicístico pode ser a descompressão.
E) O ameloblastoma faz diagnóstico diferencial com o cisto dentígero e com o ceratocisto odontogênico.

49. Dentre os princípios básicos em cirurgia, qual desses não constitui um tipo de diérese?

A) Dilatação. B) Punção. C) Descolamento. D) Incisão. E) Conexão.

50. Qual dessas afirmativas não responde à baixa incidência de fraturas faciais em crianças?

A) Baixa prevalência de trauma. D) Ocorrência de centros de crescimento múltiplos.
B) Alto grau de vascularização óssea. E) Maior elasticidade.
C) Menor proeminência dos ossos da face.