domingo, 28 de outubro de 2007

Traumatic Wound Myiasis: An Unusual Finding in Maxillofacial Trauma

© 2007 American Association of Oral and Maxillofacial Surgeons J Oral Maxillofac Surg 65:2086-2089, 2007

Rajesh Gutta, BDS,* Luis Vega, DDS,†
and Patrick J. Louis, DDS, MD‡

*Formerly, Resident, Oral and Maxillofacial Surgery; Currently, Assistant Professor, Department of Oral and Maxillofacial Surgery, UTHSCSA, San Antonio, TX.
†Formerly, Resident, Oral and Maxillofacial Surgery; Currently, Assistant Professor, Department of Surgery, Division of Oral and
Maxillofacial Surgery, University of Florida, Jacksonville, FL.
‡Director, Oral and Maxillofacial Surgery Residency Program. Address correspondence and reprint requests to Dr Gutta: Mail Code 7908, Department of Oral and Maxillofacial Surgery, UTHSCSA, 7703 Floyd Curl Dr, San Antonio, TX 78229; e-mail:

Myiasis is the term derived from the Greek word for fly, or myia. Myiasis is the infestation of living vertebrates by the larvae (maggots) of dipterous (2-winged) flies.1 Myiasis of traumatic or surgical wounds is seen occasionally in many big city hospital emergency departments during summer months and is caused by several fly species.2 It is estimated that about 7,000 cases of myiasis occur annually in the United States.3 About 671 publications on human myiasis were indexed between 1960 and 1995. Of these, 72 articles described 137 cases of United States-acquired myiasis.2 Many cases of myiasis go unreported as a result of “cultural, social, and medico-political reasons.”4 However, wound myasis is a rather uncommon finding in the maxillofacial trauma setting in developed countries; only 5 cases were reported of which only 1 case was reported from a developed country. We present a case of traumatic wound myiasis in the maxillofacial region.

Report of a Case

A 67-year-old white male presented to the emergency department with a history of being wounded several times in the head and left arm the night before presentation to the emergency department. The patient was found lying down in an apartment and was escorted to the emergency department for evaluation. The patient was awake and alert on arrival to the emergency department. His past medical history was significant for laryngeal cancer and he underwent a laryngectomy with tracheostomy in 2000. The patient’s medication on admission was albuterol inhaler as needed and he denied any drug allergies. His social history was significant for alcoholism.

On arrival to the emergency room, the trauma team was activated. The primary survey was intact. Vital signs and lab values were all within normal limits. Secondary survey showed extensive scalp and forehead lacerations measuring up to 63 cm with exposure of the cranium. The patient also sustained multiple lacerations to the left hand including a 6 cm laceration to the left wrist with exposed tendons. No significant findings were noted other than the lacerations as
described above. An extensive radiographic evaluation was carried out and it was negative for other injuries.

After initial trauma resuscitation, the Oral and Maxillofacial Surgery and the Orthopedic-Hand Services were consulted for wound management. A decision was made to wash the wounds thoroughly and close the lacerations in the emergency department under sterile conditions. Because the patient presented more than 30 hours after the initial event, his hair was shaved for effective wound care. The patient’s head was isolated, prepped, and draped in a sterile fashion. Copious irrigation of the wound with Betadine (Purdue Frederick Co, Norwalk, CT) and saline was carried out. All the wound margins were closed with a layer of deep sutures and the skin was stapled with stainless steel surgical staples. Antibiotic ointment was applied to the wound and a head dressing was placed. Subsequently, the patient was given a prescription for cephalexin 500 mg, to be taken every 6 hours for 7 days. He and his family were instructed in wound care and he was discharged home with a follow-up appointment in 1 week.

The patient reported subsequently to the emergency department 5 days after the initial visit. His complaint was, “something is creeping in my head.” The patient stated that since discharge, he had been taking the antibiotics but he did not remove the head dressing until the morning of his visit. At that time he noticed a foul smell (Fig 1). On presentation, the patient was febrile with a temperature of 101.9°C. However, other vital signs and lab values were within normal limits. Physical examination showed a foulsmelling scalp wound with extensively repaired lacerations and a small area (2 _ 2 cm) of wound dehiscence with exposed calvarium and maggots present. Examination of the left wrist laceration did not show any signs of infection or infestation. Subsequently, an oral and maxillofacial surgery consult was obtained for wound management.

The patient was immediately transported to the operating room for surgical debridement. In the operating room, the patient underwent general anesthesia induction via the tracheal stoma and the patient was prepped and draped in a sterile fashion. All scalp wounds were reopened, a large number of maggots were removed manually and sent for identification analysis. Wound cultures were obtained and the necrotic wound margins were excised. Surprisingly, there was minimal necrotic tissue present. The wounds were pulse irrigated with 8 liters of Betadine and saline mixture and an additional 4 liters of normal saline. A halfinch Penrose drain (CR Bard Inc, Covington, GA) was placed and the lacerations were then closed with 2.0 Monocryl deep sutures (Ethicon, Somerville, NJ) and the skin was closed with stainless steel staples (Fig 2). After the procedure, the patient was transported to the recovery room in satisfactory condition. Review of culture data showed colonization of the wound by Provindencia rettgeri, Klebsiella oxytoca, Streptococcous agalactiae. All the micro-organisms were sensitive to ciprofloxacin. The patient was discharged 24 hours after the procedure with thorough written and verbal wound care instructions. He was sent home with a prescription for ciprofloxacin 500 mg twice a day for 5 days. He was given a follow-up appointment in 1 week. Subsequent follow-up visits at 1 week, 3 weeks, and 8 weeks showed good healing without any recurrence of maggot infestation or soft tissue defect (Fig 3).

The larvae specimens that were sent for identification were confirmed as Phaenicia sericata (green bottle fly/blowfly).


Ambrose Pare first noted the effects of maggots on battle wounds in 1557. He stated, “the wounds of the hurt people were greatly stinking, and full of worms with gangrene and putrefaction.”6 However, the wound healing and antimicrobial properties of maggots have been well known since the beginning of the 20th century.5 In 1917, Baer noted the beneficial effect of maggots on open battle wounds. He commented that, “although the wounds were swarming with maggots, the men were constitutionally well, with no evidence of septicemia or blood poisoning.”7

Members of the family Calliphoridae, a fly family rich in genera and species, cause myiasis. Myiasis is often classified according to the anatomic position in, or on, the animal that the larvae infest. Broadly speaking, they may be described as dermal, subdermal, or cutaneous, nasopharyngeal, ocular, intestinal/enteric, or urogenital. When open wounds are involved, the myiasis is known as traumatic and when boil-like, the lesion is termed furuncular. Most Calliphorid species search for carrion (dead or rotting flesh) as the preferred substrate in which to lay their eggs. Uncommon alternative choices for egg laying include feces or, occasionally, the fetid discharge from wounds or body orifices. In humans, the host averaged 60 years of age, with a male:female ratio of 5.5:1. Homeless-ness, alcoholism, and peripheral vascular disease were cited as frequent cofactors.2 In our case, homelessness may have increased his exposure to flies or to refuse frequented by flies.

Green blowfly, Phaenicia sericata is a common fly of temperate North America.8 Many of these flies tend not to invade living tissue, a feature exploited by practitioners of maggot debridement therapy.9 Obligatory myiasis- causing larvae infest living hosts and tend to be more invasive than the facultative parasites, which favors dead hosts or necrotic tissue of the living hosts.10

Maggots separate the necrotic tissue from the living tissue, making surgical debridement of the wound easier. The proposed mechanisms of maggot-induced wound healing included: 1) continuous flushing or irrigation of the wound by the copious exudates formed by the host in response to the maggots11; 2) killing, ingestion, and digestion of bacteria by the maggots; 3) secretion of allantoin (component of fetal allantoic fluid)12; 4) the rapid formation of granulation tissue stimulated by the continuous larval movement in the wound13; 5) liquefaction of necrotic tissue by the maggots14; and 6) maggot extracts stimulated significant increases in total human fibroblasts.15

Blowfly eggs typically hatch in a range from 8 to over 80 hours. Multiple reasons have been quoted for the cause of wound myiasis including: 1) helpless and debilitated patient; 2) blood or odors of decomposition; 3) nursing neglect; and 4) summer season.16

Antimicrobial qualities have also been assigned to the secretion of maggots. This effect seems to be predominantly on gram-positive bacteria.17 Some antibiotics have been shown to have effects on fly larvae.
A study on the effects of seven antibiotics on the growth and development of Phaenicia sericata larvae showed that cefazolin led to a significant decrease in larval survival by 70% with a concentration of 100 times the average bacteriostatic levels. With 1,000 times the normal pharmacologic concentrations, gentamycin led to a decrease in larval survival by 97.3%. The other antibiotics like ampicillin, ceftizoxime, clindamycin, mezlocillin, or vancomycin had no effect on the survival of the larvae. Based on the above results it is clearly evident that routine antibiotics have little value in the treatment of wound myiasis compared with conventional surgical debridement therapy.18

Before starting antibiotic therapy on the patient, blood cultures should be obtained to rule out sepsis. Blood ammonia levels should also be drawn because maggot-induced ammonia toxicity has been reported in humans with heavy maggot infestation.19

Unlike almost any other clinical specimen, maggots are often discarded (in haste and with disgust), rather than submitted to the clinical laboratory for analysis The maggots caught should be submitted to the clinical laboratory in saline, alcohol, or formaldehyde for analysis and documentation.

No effective chemotherapeutic agents are available for the treatment of any form of myiasis.20,21 The usual and most prudent medical response to such infestations is removal of the larvae to prevent tissue damage and bacterial infection, even when the maggots are known to belong to a therapeutically useful species. Irrigation with either chloroform or ether is advocated. This should immobilize the larvae. Surgery is often required. For identification, the larvae should be hatched to adult flies, or first killed by immersion in nearly boiling water, then cooled and preserved in 80% ethanol.22,23

Natural infestations with these maggots can have beneficial effects and these will be lost when the larvae are removed. Nevertheless, natural infestations are uncontrolled and can, therefore, complicate ongoing medical treatment. Prevention of myiasis involves controlling the source of the larvae, the ovipositing female fly.
It is hoped that this case report will be useful in the evaluation and treatment of patients with myiasis. Histories and physical examinations always must be comprehensive. The condition of the patient’s hygiene and clothing must be noted. All wounds should be thoroughly cleansed, and tetanus immunoprophy-laxis hould be updated as necessary. Follow-up within a week should be standard practice; antibiotics need to be prescribed only when indicated by signs of bacterial infection.

1. Zumpt F: Myiasis in Man and Animals in the Old World. London, Butterworths, 1965
2. Sherman RA: Wound myasis in urban and suburban United States. Arch Intern Med 160:2004, 2000
3. Scott HG: Myasis: Epidemiologic data on human cases. Atlanta, GA, Public Health Service, US Department of Health, Education, and Welfare, 1963, p 14
4. Lukin LG: Human cutaneous myasis in Brisbane. A prospective study. Med J Aust 150:237, 1989
5. Pavillard ER, Wright EA: An antibiotic from maggots. Nature 180:916, 1957
6. Reames MK, Christensen C, Luce EA: The use of maggots in wound debridement. Ann Plast Surg 21:388, 1988
7. Baer WS: The treatment of chronic osteomyelitis with the maggot (larvae of the blowfly). J Bone Joint Surg 13:438, 1931
8. Beckendorf R, Klotz S, Hinkle N, et al: Nasal myasis in an intensive care unit linked to hospital-wide mouse infestation.
Arch Intern Med 162:638, 2002 9. Sherman RA, Hall MJR, Thomas S: Medicinal maggots: An ancient
remedy for some contemporary afflictions. Annu Rev Entomol 45:55, 2000
10. Hall M, Wall R: Myasis of humans and domestic animals. Adv Parasitol 35:257, 1995
11. Livingstone SK: The therapeutic active principle of maggots. J Bone Joint Surg 18:751, 1936
12. Robinson W: The use of blowfly larvae in the treatment of infected wounds. Entomol Soc Am 26:270, 1933
13. Horn KL, Cobb AH Jr, Gates GA: Maggot therapy for subacute mastoiditis. Arch Otolaryngol 102:377, 1976
14. Ziffren SE, Heist HE, May SC, et al: The secretion of collagenase by maggots and its implication. Ann Surg 138:932, 1953
15. Prete PE: Growth effects of Phaenicia sericata larval extracts on fibroblasts: Mechanism for wound healing by maggot therapy. Life Sci 60:505, 1997
16. Greenberg B: Two cases of human myasis caused by Phaenicia sericata (Diptera: Calliphoridae) in Chicago area hospitals. J Med Entomol 21:615, 1984
17. Thomas S, Andrews AM, Hay NP, et al: The anti-microbial activity of maggot secretions: Results of a preliminary study. J Tissue Viability 9:127, 1999
18. Sherman RA, Wyle FA, Thrupp L: Effects of seven antibiotics on the growth and development of Phaenicia sericata (Diptera:
Calliphoridae) larvae. J Med Entomol 32:646, 1995
19. Tantawi TI, Greenberg B: The effect of killing and preservative solutions on estimates of maggot age in forensic cases. J Forensic Sci 38:702, 1993
20. Jacobson JA, Kolts RL, Conti M, et al: Hospital-acquired myiasis.Infect Control 1:319, 1980
21. Herms WB, James MT: Medical Entomology (ed 5). New York, NY, MacMillan, 1961, pp 368-395
22. Konkol KA, Longfield RN, Powers NR, et al: Wound myiasis caused by Cochliomyia hominivorax. Clin Infect Dis 14:366, 1992
23. Chodosh J, Clarridge J: Ophthalmomyiasis: A review with special reference to Cochliomyia hominivorax. Clin Infect Dis 14:444, 1992

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Reunião do Colégio Brasileiro de CTBMF com CFO

Ata da reunião do Colégio Brasileiro de CTBMF com Conselho Federal de Odontologia

24/09/2007 14:40

Reunião com a Presidência do CFO em 19/09/07

    No dia 19/09/07, estivemos reunidos eu, José Roberto Barone e o Prof. Dr. Emanuel Dias da Silva, que além de membro titular do Colégio Brasileiro é Conselheiro do CFO, com o Presidente do Conselho Federal de Odontologia, Prof. Dr. Miguel Álvaro Nobre. É muito importante salientar a pronta disponibilidade do Dr Miguel, que inclusive tomou a iniciativa de solicitar esse encontro na primeira data disponível. Gostaria de informar aos colegas que os seguintes itens foram discutidos:

    1) Detalhamento da legislação do CFO em relação à Especialidade
    2) Esclarecimento oficial do que o CFO entende por lesões de interesse comum. Gestões junto à ANS e CRM no sentido de que isso seja esclarecido de uma vez por todas. Se necessário, realizar nova câmara técnica entre CFO e CFM.

    Comentário: Expusemos nossas preocupações e dificuldades em relação a esses dois itens. O Colégio enviará proposta formal das alterações e esclarecimentos necessários para exame pelo Conselho Federal.

    3) Reconhecimento dos títulos de especialista dos profissionais que fizeram Cursos de Residência e foram aprovados na prova do Colégio antes do reconhecimento dos cursos pelo CFO.

    Comentário: Foi encontrada uma solução bastante viável, que será divulgada após informação e discussão do assunto com os supervisores dos Cursos de Residência reconhecidos pelo Colégio.

    4) Extensão da prova para os cursos de especialização

    Comentário: Do ponto de vista legal, não há como obrigar os egressos dos Cursos de Especialização a prestarem a prova do Colégio.

    5) Reavaliação contínua dos cursos de formação em todos os níveis.

    Comentário: Em função dos custos, as avaliações do CFO são feitas hoje por amostragem. Pretendemos formular proposta oficial do Colégio Brasileiro com respeito àquilo que julgamos que poderia ser feito.

    6) Exigência de Curso de Residência para a Especialidade. Na impossibilidade de extinguir os cursos de especialização, igualar os currículos e não permitir abertura e reconhecimento de novos cursos de especialização.

    Comentário: O CFO, dentro de suas atribuições legais, não pode definir curriculum, reconhecer cursos, nem impedir abertura de cursos. Isso é prerrogativa do Ministério da Educação e inclusive já trouxe problemas legais ao Conselho. O que o CFO pode fazer é fiscalizar, zelar pelo bom exercício profissional e não reconhecer diplomas provenientes de cursos fora das normas vigentes. Diante disso, a proposta do Colégio é que se reconheça apenas os diplomas de Cursos de Especialização oferecidos exatamente nos mesmos moldes e com as mesmas regras dos Cursos de Residência. O CFO aceita estudar esse assunto apenas se for realizada uma nova ANEO, como a de 1999, onde evoluiu-se os Cursos de Especialização para as atuais normas (antes era ainda pior).

    O Colégio Brasileiro pretende continuar esse trabalho, junto ao CFO e iniciar gestões frente aos Ministérios da Educação e da Saúde com respeito a esses e outros temas. Continuaremos a manter os colegas informados. Saudações a todos.

    Mario Gabrielli


quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Terceiro molar (Dente do Siso) - Orientando o Paciente

Terceiro Molar

Quantos dentes do siso existem?

Existem quatro dentes do siso: dois superiores, sendo um direito e um esquerdo, e dois inferiores, também direito e esquerdo.

Em que idade eles normalmente erupcionam?

A erupção ocorre normalmente dos 17 aos 20 anos; portanto, são os últimos dentes da dentição a erupcionar.

Todo mundo tem o dente do siso?


Por que as vezes eles nao erupcionam ?

Porque algumas pessoas não possuem mesmo o dente do siso (germe dental); às vezes, não erupcíonam por falta de espaço na arcada dental, ou ainda, pelo mal posicionamento do Terceiro molar.

0 que acontece se ele ficar dentro do osso (não erupcionar)?

Pode produzir reabsorções de dentes vizinhos, transtornos dolorosos ao paciente e possíveis degenerações (lesões císticas).

0 que acontece se ele erupcionar parcialmente?

A erupção parcial ocorre geralmente por falta de espaço na arcada ou pela posição horizontal do dente. Ambos os casos dificultam a erupção, ocorrendo, dessa forma, a erupção parcial do siso. Esse quadro pode provocar gengivites (inflamação da gengiva), abscessos na região, irritação local, dor e edema.

É verdade que o dente do siso empurra os outros dentes, provocando mudanças de posição?

Há duas correntes: a primeira diz que, se houver espaço suficiente para a erupção do siso e o paciente não tiver tendência a apinhamento (mudança de posição), não haverá roblemas; já a segunda diz que, se o espaço for insuficiente e o paciente, submetido à ortodontia e com tendência a apinhamentos, ou mesmo, só submetido à ortodontia, mas com a mesma tendência, poderá ter problemas futuros, como o apinhamento de dentes. Atualmente, há trabalhos científicos que provam que o apinhamento dentário não é causado pelo Terceiro molar e sim pelo crescimento mandibular residual.

Quando a gengiva do dente do siso que está erupcionando inflama, o que fazer?

Deve ser feita a remoção do tampão gengival que cobre parcialmente a superfície dental (ulectomia) ou a curetagem gengival, ambos realizados pelo profissional. 0 paciente, para melhorar esse quadro inflamatório, poderá realizar higiene oral rigorosa no local; bochechos com anti-sépticos bucais podem amenizar o quadro, mas, para resolver o problema, o paciente deverá procurar um cirurgião-dentista.

Quando é indicada a extração do siso?

A sua extração está indicada na ausência de espaço para a erupção, no posicionamento horizontal do siso, nos quadros de dor e quando se inicia a erupção e esta não se completa, ou seja, há erupção parcial do siso. Quando se faz a extração de um siso, provavelmente terá que ser feita a extração de ambos os sisos do mesmo lado, isto é, do superior e do inferior.

ATM e DTM - Orientando o paciente


O que é ATM?

ATM é a abreviatura de "Articulação TemporoMandibular". Essa articulação situa-se logo à frente do ouvido e é responsável pelos movimentos executados pela mandíbula.

Qual é a principal característica de um paciente que tem problemas de ATM?

O principal indicativo de uma alteração na ATM é o estalido (clique), normalmente acompanhado de dor que se manifesta na cabeça, face, pescoço, olhos e dentes. A ausência de dor não é sinal de normalidade. O estalido (clique), por si só, já traduz problemas nas ATMs.

Quais as principais causas dos problemas de ATMs?

Toda e qualquer doença necessita de mais de um fator para a sua ocorrência. O fator principal deve ser acompanhado dos fatores que contribuem, modificam ou perpetuam a doença. No caso da disfunção das ATMs, acredita-se que o fator principal seja a maloclusão (relacionamento inadequado entre os dentes da maxila e mandíbula), sendo o "stress", os hábitos parafuncionais e algumas doenças sistêmicas ou hormonais capazes de contribuir, modificar ou perpetuar o seu aparecimento. Contudo, sabe-se que a ordem dos fatores principais e secundários pode alterar-se, havendo diferentes pesos no julgamento de quem é o agente iniciador da disfunção.

Por que acontece o estalido (clique) nas ATMs?

Entre as faces articulares dos ossos que compõem as ATMs (osso temporal e côndilo da mandíbula), existe uma estrutura fibrocartilaginosa chamada disco articular, cujas principais funções são amortecer e amoldar as superfícies ósseas incongruentes da articulação, evitando traumas e desgastes prematuros. Quando o disco articular se desloca de sua posição fisiológica, acontece o estalido (clique), notado nos movimentos mandibulares, tais como: falar, mastigar, cantar, bocejar etc.

Por que o problema de ATM pode causar dor de cabeça?

As dores de cabeça provenientes das disfunções de ATM, em geral, não são propriamente de cabeça: são dores nos músculos que envolvem a cabeça. Posições posturais viciosas, relacionamento dental inadequado, apertamento e/ou ranger de dentes, associados ao "stress", normalmente culminam em quadros crônicos de dores nos músculos da face, da cabeça e do pescoço.

Por que o problema de ATM pode causar dor de ouvido?

A proximidade entre a ATM e o ouvido pode ocasionalmente confundir o paciente sobre o local de origem da dor. Na realidade, a dor de ouvido é diferente da dor de ATM. Como diagnóstico diferencial, as disfunções das ATMs não manifestam febre, não eliminam secreção pelos ouvidos e não são acompanhadas por quadros infecciosos das vias aéreas superiores. Existe relação entre dentes e ATM?Sim. O "encaixe dental" (oclusão) é responsável pela posição do côndilo (cabeça da mandíbula) dentro da articulação. Ocluir os dentes mais para a frente, para trás ou para os lados traz conseqüências para as ATMs. O ideal é que a oclusão tenha um relacionamento adequado, para manter côndilo e disco articular harmônicos e bem posicionados entre si, a fim de que a articulação seja saudável.

Qual é o tratamento indicado?

O tratamento é multi-fatorial. Depende do estágio da disfunção e principais causas. O Cirurgião-Dentista deve estar habilitado para detectar e tratar da DTM

Quais são as conseqüências do não-tratamento?

A disfunção temporomandibular é uma doença que, depois de instalada, é quase sempre progressiva. O que não se consegue determinar com exatidão é a sua velocidade de progressão e as suas conseqüências. Portanto, o ideal é o tratamento precoce, que certamente proporciona melhores soluções e resultados.

O que é dor orofacial?

Dor orofacial pode ser definida como uma dor que acomete a região orofacial, ou seja, a boca, a face, a cabeça e o pescoço. São dores que podem ocorrer devido a problemas musculares, da articulação temporomandibular (ATM), dos dentes, dos vasos sanguíneos e/ou dos nervos. Dentre as condições dolorosas mais comuns da região orofacial, destacam-se as dores de origem músculo-esquelética, mais conhecidas pelo termo disfunções temporomandibulares (DTMs).

O que é DTM?

DTM é um termo que inclui um número de problemas clínicos que envolvem a musculatura mastigatória, a ATM e estruturas associadas, ou ambas. Pode gerar dores de cabeça, cansaço muscular, dor nas ATMs, dores próximas à região do ouvido, dores na região do pescoço, mordida instável e/ou dificuldade de mastigação.

Quais são os sintomas mais comuns?

Dor na região do ouvido sem infecção, dor ou desconforto na região da ATM mais comumente ao acordar ou no final da tarde, dor na ATM durante a fala ou a mastigação, dificuldade para abrir ou fechar a boca, cansaço nos músculos da face e/ou da mastigação, sensibilidade dentária quando não há nenhum problema aparente.

O que pode causar DTM?

Cada indivíduo engole cerca de 2.000 vezes por dia, o que gera o contato dos dentes superiores e inferiores. Assim, situações como mordida instável, dentes perdidos, mau alinhamento dentário, apertamento e/ou rangido dos dentes (também conhecido como bruxismo), trauma na cabeça ou no pescoço e má postura podem causar problemas, pois os músculos têm de trabalhar mais para compensar essas falhas. Assim, os músculos podem entrar em fadiga e alterar toda a função do sistema mastigatório, causando dor e desconforto.

O que é o bruxismo?

Bruxismo é o apertamento ou rangido dos dentes, que pode ocorrer enquanto o indivíduo está acordado ou dormindo. É uma atividade danosa ao sistema mastigatório, pois pode gerar desgaste dos dentes ou dor muscular, entre outros problemas. Indivíduos com dentes desgastados, portanto, necessitam de uma avaliação para verificar se possuem quadro de bruxismo ativo e se há necessidade de tratamento. É importante ressaltar que alguns medicamentos podem induzir ou agravar essa situação.

O que eu posso fazer para tratar a DTM?

A maioria dos casos pode ser tratada pela promoção de repouso das articulações e dos músculos mastigatórios. Isso pode ser conseguido por meio de manobras odontológicas, como por exemplo, a confecção de placas oclusais, utilização de medicamentos e, fundamentalmente, pela aquisição de novos hábitos saudáveis. Em muitos casos, o paciente po­de apresentar melhora com manobras simples, como adoção de dieta com alimentos macios, exercícios físicos para os músculos da mastigação, educação das funções mastigatórias, compressas quentes e frias e controle do apertamento dentário. Em casos muito específicos, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica.

A DTM é permanente?

Essa condição é episódica e pode ocorrer em fases de estresse ou após algum evento físico (como um trauma) ou emocional. É fundamental, entretanto, que o paciente procure por tratamento para que a dor não se torne crônica (de longa duração), o que torna o tratamento muito mais difícil.

Orientando o paciente - Cirurgia Ortognática

Cirurgia Ortognática

O que é a Cirurgia Ortognática?

A cirurgia ortognática é realizada para correção de desarmonias faciais. Nesses casos, os maxilares (maxila e mandíbula) não se encontram posicionados corretamente, resultado de um crescimento desordenado dos ossos da face, de um posicionamento incorreto dos dentes ou de algum trauma, gerando alterações na mastigação, respiração e fala. O desequilíbrio na face gera problemas funcionais e insatisfação pessoal. Os pacientes podem apresentar alterações no sorriso, na oclusão (encaixe dos dentes), dores cervicais e perdas dentárias. A cirurgia corretiva capaz de reposicionar os dentes e ossos da face adequadamente e criar uma aparência mais equilibrada e satisfatória é a cirurgia ortognática.

Como a Cirurgia Ortognática é realizada e onde pode ser feita?

A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar, sob anestesia geral, sendo necessária a realização de exames pré-operatórios e avaliação cardiológica e de outras especialidades médicas, se necessário. O paciente passará por um anestesista para esclarecimentos a respeito da anestesia geral. Durante a cirurgia, realiza-se o devido reposicionamento dos ossos da face, que são imobilizados com placas e parafusos de titânio, permitindo ao paciente sair de boca aberta do procedimento. Em apenas algumas horas realizamos a correção do problema facial e da mastigação. A cirurgia é totalmente realizada por dentro da boca, sem a existência de cicatrizes na pele. Programa-se toda a cirurgia com antecedência, o paciente recebe um preparo nutricional, psicológico e físico e a cirurgia é agendada para a melhor época, tanto para o paciente como para o ortodontista e o cirurgião Buco - Maxilo - Facial.

Realiza-se algum preparo para essa mudança?

É fundamental, para um bom resultado cirúrgico, a realização de um planejamento por parte do ortodontista e do cirurgião. Esses profissionais realizarão uma detalhada avaliação das condições funcionais dos dentes e maxilares, a fim de estabelecerem o plano de tratamento. Dessa forma, será estabelecido todo o preparo ortodôntico antes da cirurgia para correção do posicionamento dos dentes dentro de suas bases ósseas, para que a cirurgia posicione adequadamente as bases ós-seas entre si. O preparo ortodôntico requer tempo e paciência, em média de um a dois anos antes da cirurgia. A mordida nesta fase tende a piorar, mas isso é temporário e importante para o sucesso da correção cirúrgica meses depois.

Como é o pós-operatório?

Geralmente o paciente permanece hospitalizado cerca de um a dois dias, quando então continua sua recuperação em casa. Inicialmente, apresentará inchaço na face, dificuldades para falar e realizar atividades. A dor não é freqüente, pois a região operada fica adormecida por alguns meses. A dieta deve ser líquida por dez dias, passando para pastosa até a devida orientação do cirurgião. A fisioterapia é iniciada nas primeiras 24 h após a cirurgia, para drenagem do edema facial e retorno mais rápido das funções mandibulares. O paciente retornará ao cirurgião muitas vezes nos primeiros três meses após a cirurgia, para o devido acompanhamento de sua recuperação. Após duas ou três semanas, geralmente o paciente está apto a retornar a muitas atividades. A recuperação é gradativa, necessitando da compreensão de todos para a mudança ocorrida e o sucesso do procedimento executado.

Quanto tempo depois da cirurgia o tratamento é finalizado?

O paciente retorna ao ortodontista para a finalização ortodôntica cerca de seis semanas após a cirurgia, a fim de realizar o refinamento do posicionamento final dos dentes. Esse processo é variável, durando em média de seis meses a um ano. Após a remoção do aparelho ortodôntico, o paciente permanece com aparelho de contenção por no mínimo um ano e nesta fase pode considerar alguns procedimentos cosméticos para deixar o sorriso ainda mais bonito, tais como clareamento dental, cirurgias gengivais e diversos recursos odontológicos e médicos, a fim de proporcionar a completa satisfação do paciente.

Artigo original retirado do site da APCD